Low Poo e No Poo, fazem bem ou mal?

Low Poo e No Poo, fazem bem ou mal?

18 18America/Sao_Paulo agosto 18America/Sao_Paulo 2020 0 Por Candice Lima

As técnicas Low Poo e No Poo têm feito a cabeça de muitas mulheres nos últimos tempos, mas a dúvida que ainda existe é: faz bem ou mal para os cabelos?

A resposta é: depende.

Low Poo

As técnicas No Poo e Loo Poo estão muito famosas entre as cacheadas e crespas e prometem fios mais saudáveis e bem nutridos. Na técnica Low Poo são evitados os sulfatos presentes nos shampoos, quem são tipos de sais que ajudam a limpar o couro cabeludo e os fios deforma mais profunda, removendo assim a oleosidade natural do cabelo. Alguns shampoos aceitos na técnica podem conter sulfatos mais leves do que os dos shampoos tradicionais.

No Poo

Já a na técnica No Poo, o cabelo passa a ser lavado com condicionador, sem o uso do shampoo. A camada lipídica faz parte da proteção natural dos fios e ela é completamente removida quando aplicamos os shampoos normais, ou seja, aqueles que possuem sulfatos que não são considerados leves.

no poo low poo

Faz bem ou mal?

Quando lemos isso, logo imaginamos que essas técnicas só nos beneficiariam, pois sem remover nossos lipídios naturais, teríamos cabelos mais saudáveis. Entretanto, muitas pessoas não são candidatas ideias para as técnicas, especialmente as que possuem raiz oleosa, ovários policísticos, pessoas com tendência à acne, dermatite seborreica e psoríase capilar.

Em todos esses casos, é necessária uma higiene mais profunda do couro cabeludo para mantê-lo saudável (mesmo que isso resseque os fios em seu comprimento e pontas). Isso porque o sebo do cabelo armazena Dihidrotestosterona (DHT) que se não for bloqueado pelo uso do shampoo  ao remover a oleosidade, acaba causando queda de cabelo. Os usuários de anabolizantes conhecem bem o conceito de DHT e enxergam muitos desses efeitos de excesso de oleosidade e queda capilar, não sendo também candidatos ideais a essas práticas.

Já as mulheres que possuem os cabelos crespos ou bem cacheados que que não fazem de nenhum grupo citado, podem beneficiar-se. Os cabelos crespos ou cacheados possuem mais dificuldade de lubrificação no comprimento e pontas, pois a curvatura dos fios dificulta que a oleosidade desça. O fio crespo possui uma quantidade de queratina maior ao seu redor e pelas laterais e menos no centro da haste capilar. Isso ocorre pois a queratina no fio crespo é distribuída em forma de elipse e este fio é quase oco em sua camada interna. Por isso o cabelo crespo costuma ser mais frágil, pois no centro de sua estrutura há pouca queratina e ele precisa de mais cuidados do que outros tipos de cabelos.

Mas para quem possui o cabelo crespo e está nos grupos já citados que não são adequados para o Low Poo e No Poo, vale tentar de  forma moderada: intercalar entre shampoos com sulfato mais forte e sem, investir em mais tratamentos, fazer o pré-poo (proteger o cabelo antes da lavagem com cremes de tratamentos e óleos, pois assim os tensoativos quando entrarem em contato com as partes que normalmente são mais secas do cabelo, terão ali uma “sujeira” para envolver e retirá-la junto com a água.

E os petrolatos, onde ficam nisso tudo?

Os petrolatos são os derivados de petróleo presentes em muitos dos nossos produtos cosméticos. Eles formam uma barreira ao redor dos fios que impedem a evaporação da água e também ajudam a proteger os fios de agressões externas, deixando os fios mais fortes quando aplicados. Eles não são capazes  de fazer mal para o cabelo, embora também não possam ser considerados tratamentos.

O  que impede o uso de petrolatos para os praticantes das técnicas No Poo e Low Poo é o fato de só os shampoos com sulfato forte serem capazes de removê-los dos fios durante a lavagem e eles devem ser removidos nas lavagens, pois se ainda estiverem nos fios impedirão os novos tratamentos de penetrarem, o que com o tempo poderá tornar o cabelo mais frágil e ressecado.

Se você ainda não sabe se o seu cabelo poderia se  beneficiar ou se  prejudicar com essas técnicas, consulte um dermatologista para entender melhor.