Batom vermelho: a marca da mulher poderosa

Batom vermelho: a marca da mulher poderosa

20 20America/Sao_Paulo julho 20America/Sao_Paulo 2022 0 Por Candice Lima

O batom vermelho já assumiu diferentes significados durante a história, mas sempre esteve nos lábios das mulheres mais poderosas.

De proibido pela Igreja Católica no período Medieval à estrela da nobreza, destacando os lábios da Rainha Elisabeth I, o batom vermelho nunca passou despercebido, provocando diferentes sensações em quem o utilizou.

O batom vermelho era considerado pecado pela Igreja Católica Medieval

O batom vermelho era considerado pecado pela Igreja Católica Medieval

Durante a Segunda Guerra Mundial ele esteve nas campanhas publicitárias representando o ‘V de Vitória’ e também teve grande destaque na Marcha Sufragista de 1912 em Nova York, quando ousadas mulheres de lábios vermelhos lutaram pelo direito de votar.

O batom vermelho foi a arma de expressão das sufragistas

O batom vermelho foi a arma de expressão das sufragistas

Em meados de 1700 o batom foi condenado por lei pelo governo britânico acusado de “seduzir homens para o matrimônio”, configurando bruxaria. Já na pré-revolução francesa ele era usado para destacar a “pele de porcelana” das moças que queriam passar aquela imagem de boneca.

O batom vermelho era usado para destacar a pele de porcelana através do contraste

O batom vermelho era usado para destacar a pele de porcelana através do contraste com a pele branca

Entre 1830 e meados de 1900 os aristocratas “de bem” (leia-se de família) não podiam mais usar maquiagem. Neste meio tempo surgia a poderosa Guerlain tornando o batom um item de maquiagem indispensável.

O batom vermelho como símbolo de sedução e bruxaria

O batom vermelho foi símbolo de sedução e bruxaria

Com as estrelas de Hollywood, o batom vermelho foi ficando cada vez mais popular e tornando-se uma estrela à parte. Todas as mulheres queriam ser bonitas e sensuais como as estrelas de cinema e podiam recorrer ao batom vermelho como arma de sedução para fisgar seus pretendentes.

Saindo das telinhas do cinema e de grandes campanhas publicitárias, o batom vermelho tornou-se popular

Saindo das telinhas do cinema e de grandes campanhas publicitárias, o batom vermelho tornou-se popular

Mas foi em meados dos anos 50 que Marilyn Moroe cravou o batom vermelho como símbolo de extrema sensualidade. A Revlon criava em 1952 uma campanha publicitária que marcaria a história dos cosméticos.

Batom vermelho: saído das telinhas dos cinemas e dos palcos das estrelas para as nossas bolsas

Batom vermelho: saído das telinhas dos cinemas e dos palcos das estrelas para as nossas bolsas

Na década de 90 ele marcou presença nos lábios da Madonna com o batom Russian Red criado pela M.A.C. especialmente para que a cantora o usasse em sua turnê Blond Ambition. Este batom tornou-se um dos mais desejados da marca e esteve presente novamente nos lábios da Madonna na turnê Madame X entre 2019 e 2020.

Rihanna também lança seu batom vermelho pela M.A.C., o Riri Woo, inspirado no Ruby Woo, outro batom vermelho ícone da marca

Não estando restrito à pele de porcelana, o batom vermelho é arma de sedução em morenas e negras

Não estando restrito à pele de porcelana, o batom vermelho é arma de sedução em morenas e negras

Definitivamente o batom vermelho é um item de maquiagem indispensável para uma mulher que gosta de se sentir poderosa e sedutora, e disso todas nós já sabíamos; mas não dava para imaginar todo o alvoroço que este item já causou ao longo da história. Além disso, em seus diferentes tons e intensidades, ele cai bem em qualquer tom de pele e é capaz de compor diferentes tipos de looks, indo do descontraído, passando pelo sexy e chagando ao sofisticado. Nos dias atuais vemos algumas noivas usando o batom vermelho no dia do casamento, coisa bem difícil de imaginar no passado.

O batom vermelho também compões visuais mais clássicos

O batom vermelho também compões visuais mais clássicos